sábado, 9 de agosto de 2014

Caais (aos)

Não. É medo. Alguma coisa - alguma coisa muito grande - grita aqui dentro e escurece qualquer brecha de luz que desfoca no meu olhar. Minha visão se desloca lentamente para todos os lados e sem que eu me mova, consigo sentir a terra girando em volta de mim. Não existe céu. Do mínimo que consigo ver, pequenos feixes de luz teletransportam vultos das tuas cenas, e teu cheiro impregnara no meu nariz sem que eu ao menos chegasse perto de ti. Queres saber o que vejo?  Vejo que a superfície do teu rio está muito mais à vista agora, que a subi. E que diante de todos os empecilhos, me sinto cada vez mais afetada por essa corrente que me leva, sem que percebas, até o caais. Eu estou com medo. Preciso fugir.