terça-feira, 18 de novembro de 2014

Astronauta de mármore

E rabisco tantas outras coisas em diversos pedaços de papel atirados pela casa. Rabisco na tentativa de - por um acaso - conseguir esboçar um desenho que soe perfeito diante dos teus olhos. Mas cada esboço reflete cada vez mais as minhas imperfeições. E cada imperfeição eu desloco o teu olhar de mim.

Não nego o meu medo - o mundo não é perfeito, eu sei - mas queria, de coração, conseguir te fazer enxergar que as minhas imperfeições fazem parte desse mundo, e não do nosso universo paralelo. Mas tudo bem. O que me ocorre, de fato, é não conseguir entender que me falta sabedoria para lidar com os dias, entende? Que, talvez, o simples fato de não saber lidar, por si só, já é uma imperfeição. E me questiono sobre a real ideia de perfeição que as escolhas que fazemos nos permitem discutir. Sobre o que nos move a sermos perfeitos - de fato - para contemplar o olhar do outro.


Queria contar-te que, de todas as coisas que tenho escrito, meus rabiscos soam tortos quando comparados com os teus. Porque não consigo exteriorizar o que se encontra sólido e intocável dentro de mim. Porque, na maioria das vezes, questiono minhas vulnerabilidades sobre falar do que sinto - e me aperta o coração não conseguir dizer o tanto que te quero, aqui, por escrito, em extenso e sem abreviaturas, no belo e bom português.

Tenho, aos poucos, retomado o ritmo. Escrevo algumas coisas, depois apago, retomo em outros contextos, faço conexões desleais com a coesão textual, mas tudo porque na minha cabeça tem uma poção de coisas para serem faladas e desabafadas, que qualquer movimento brusco que se assemelhe a um rabisco me faz perder a noção das ideias e a confundir todos os meus escritos com simples pedaços de papel.

É o que a vida faz - uma vez me disseram. Respondo que não! É o que viver faz. Ando vivendo muito e escrito um pouco menos. Orbitando em cosmos diferentes, a cada segundo, na dimensão que o universo me permite ser. Sou eu, agora, pedindo emergência. Esvairada na comoção das beiras e das marés. Colidindo com mil e uma palavras presas debaixo da minha língua. Sou eu, agora, pedindo para parar.

Pare, mundo! Quero pousar. 

He enloquecido dulcemente

O quanto se esquiva uma alma cheia de segredos? O que se faz presente, que desperta o desejo, no desconhecido? Parece-me que, vez em quando, a alma disfarça e camufla os sentimentos. Seria por que estes se confundem, transloucados, na imensidão do universo? 

Que dizer eu, que já amei tantas vezes. Que me fugia das mãos e apertava o coração como um soco em queda livre. Que encontrava, na bifurcação dos meus passos, um desnorteio qualquer e, ainda, semeava diante das bravuras dos dias, um só dia que me fizesse feliz.

Hoje entendo. Diante da escuridão, qualquer luz que se vê é vida. E qualquer coisa que se aviva diante dos meus olhos eu já amo. E entendo que o que aviva as pessoas, as coisas, os dias, não são o efeito biológico do que se entende por vida, mas sim a luz com que os olhares se guiam, avistando o desconhecido, mergulhando num mar de conexões abstratas.

O coração sente o que a alma exterioriza. A alma sente quando o pulso se torna forte, os olhos se amolam quando o despertar do desconhecido se torna forte e o desconhecido já não é mais desconhecido - é algo que se encontra dentro dos teus dias, das tuas horas, dos teus sonos. Algo que se move, se aloca e te transborda. Algo que não está só mais beirando, mas sim fazendo parte das tuas ondas e dos teus movimentos de situações-perplexas-que-merecem-ser-entendidas-como-algo-doce. 

E enlouquece docemente. Através da penumbra que o coração se encontrava, semeando o desconhecido e se entregando de corpo e alma lavadas. Hoje eu entendo.


segunda-feira, 3 de novembro de 2014

Maré Viva

sempre que avisto a escuridão
meu amor, teus olhos brilham
e sempre brilharão;

e nos destemidos encontro meu eixo
me foge da compreensão
qualquer palavra que semeio;

e me vou, num par de moléculas
constatar o que o universo explode:
eu sou
a-mar-é
todos somos
só não é, quem não se aviva.
Outro nó. Dessa vez, mais amarrado. Se remendou toda. Mergulhou fundo. Cheque-mate, meu bem. Na melhor das hipóteses, não há outro caminho a seguir, se não o nosso. A cada trilha que eu faço, meu rastejo tu encontras. E encontras as minhas pegadas e as minhas marcas e o meu suor e todo o meu amor. E me reencontras e reconhece. Autocuida. Não se esquiva. Se desloca pra frente e pra trás: gira e samba em torno de mim. E dos sambas mais bonitos, eis que encontro o som da tua voz. 

Alguma vez na vida, será que eu soube que eu deveria estar aqui?

Que ves y sentes cuando te ves?

Tenho escrito textos longos, árduos, com palavras breves e conexões sem sentido algum. Tenho tido dificuldade em transcrevê-los - digo, tirar da cabeça e colocar pro papel o que eu vejo na cidade, nas árvores, nos cachorros, na velha sentada em frente à sua casa num final de tarde qualquer. E me remete que de repente me falte palavras no meio de tantas sensações diferentes. É como a onda que vai e volta no mar, mas eu sou um peixe e sair do meu ambiente natural seria como cavar o meu próprio enterro. Porque me falta ar quando deixo de ser o que sou. E só o sou porque sei que amanhã terá um sol lá fora para brilhar e iluminar as minhas bifurcações constantes. 

E a vida se modifica ao meu redor. Um passo à frente é sempre um passo para trás. E eu corro para alcançar as estrelas que se deslocam como feixes de luzes. E como um torpedo flutuo na minha sincera e humilde sensação de ser feliz. E o sou. Sigo em constante enlouquecimento, o que me é estranho. Mas é uma loucura doce - que eu abraço, inclusive. Aliás, estranho mesmo é ser feliz e não saber, só entender. Não justificar, só viver. Não temer, se encorajar. Não chorar, sorrir - feliz da vida. O Feliz, da Vida. Aquele, lembra?

sábado, 9 de agosto de 2014

Caais (aos)

Não. É medo. Alguma coisa - alguma coisa muito grande - grita aqui dentro e escurece qualquer brecha de luz que desfoca no meu olhar. Minha visão se desloca lentamente para todos os lados e sem que eu me mova, consigo sentir a terra girando em volta de mim. Não existe céu. Do mínimo que consigo ver, pequenos feixes de luz teletransportam vultos das tuas cenas, e teu cheiro impregnara no meu nariz sem que eu ao menos chegasse perto de ti. Queres saber o que vejo?  Vejo que a superfície do teu rio está muito mais à vista agora, que a subi. E que diante de todos os empecilhos, me sinto cada vez mais afetada por essa corrente que me leva, sem que percebas, até o caais. Eu estou com medo. Preciso fugir.

domingo, 3 de agosto de 2014

À beira do meu lar

Deixo que as palavras sacudam a minha mente,
porque eu sinto e tu também sente
que a cada palavra é um pulo
que dou na tua rua e
te espero na esquina
que é pra gente observar a lua.

Se a chuva que te molha
é a chuva que te inspira
esse céu é tão imenso
que eu me deito na tua vida.

E hoje paro pra te observar.
Esculpindo estrela na beira do mar,
a beira de qualquer lugar,
a beira do meu lar.

sábado, 2 de agosto de 2014

Eu não saberia o que dizer. Fiquei estagnada, observando as minhas palavras saírem pela culatra. E foi assim. Como um coração enrijecido conseguiria transformar suas emoções confusas em algo bom? O entendimento é a parte mais difícil de amar. Por que é tão difícil compreender o lado do outro? Me restam dúvidas. E volto a reescrever minhas inconstâncias. Minhas conversas não tem fim. Meu coração dorme. E lá vem outro dia.

quarta-feira, 30 de julho de 2014

Olha,

eu não sei como dizer mas era como se eu soubesse o que falar mas não quisesse expor meus sentimentos dessa forma, assim, tão alienada com que sinto e com que penso que talvez o estrago fosse realmente maior do que se faz dentro da minha cabeça... Sabe, eu acredito no amor e nas coisas boas que ele nos proporciona, mas ao mesmo tempo desacredito nessa potencialidade como forma de vida, compreende? É como se eu não quisesse deter ou aprisionar ou simplesmente submeter a pessoa amada numa liberdade disfarçada e mascarada... Olha, eu não sei se você compreende, não sei ao menos o que está pensando agora, mas queria te pedir uns minutos de silêncio e uns belos de uns abraços pra gente se dar agora, daqui a pouco, daqui um ou dois dias, quando voltares... Eu queria dizer, na realidade, que é difícil dizer tudo que eu queria dizer...

terça-feira, 29 de julho de 2014

Afetos

Que o laço que se cria, a cada dia, se eternize mesmo que nas inconstâncias dos dias, desencontros e encontros da noite, mesmo que por acaso e sem sentido - que não se rompa. Porque a vida é tão frágil e desajustada, o tempo é breve e curto, tudo passa tão rápido e devagar ao mesmo tempo. Somos tão pequenos diante da imensidão do mundo lá fora. E somos tão grandes quando unidos, afetados com os afetos dos outros, bagunçados com o sentimento que se cria e só cresce, interceptavelmente, nos agudos e graves das nossas vozes. Somos chamas acesas, disseminando o fogo por onde vamos, contagiando o mundo com nossas inspirações, sonhos, realidades! Não se desespere ou tenha medo porque os dias acabaram. Pelo contrário: sorria porque começou e agora durma com a certeza de que não irá ter fim. Não em nós. Não nos "nós" e laços que criamos. Não nas nossas vidas, nos nossos sonhos, nos nossos afetos... Porque o que a gente leva de tudo isso, além do aprendizado e da vontade de mudar o mundo, é o amor, é só o amor... Que o afeto não se rompa, que os laços se eternizem, que dormiremos com a certeza de que somos, juntos, o poder da  transformação, da construção de um mundo cada vez melhor! Que nós sempre lembraremos: dentro de nós cabem todos os sonhos do mundo e, ainda, um bucado de afetos!


"Meu amor essa é a última oração

Pra salvar seu coração

Coração não é tão simples quanto pensa

Nele cabe o que não cabe na despensa

Cabem três vidas inteiras

Cabe uma penteadeira

Cabe nós dois

Cabe o meu amor!"

Com amor, para VERSUS Santiago - Edição Inverno 2014.

domingo, 9 de março de 2014

in fin ito

o infinito é a porta de entrada
seja bem vindo
descanse em paz
não vá!
- a chama antes acesa
agora é luz, o corpo virou pó
nos passos longos da vida
eles se perderam nas rugas dos dias
agora se cruzam por elos que eternizam
lembranças que na mente, não se foram
que no coração, não se quebraram
que no peito, não partiram
que na luz,                                                                   se encontraram.

quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

Sobre enxergar

Eu desconfio dos passos. Desconfio das pessoas, da paz, da calmaria das águas, da chuva que não cai. Desconfio até de mim, dos meus anseios e medos angustiantes. Só não desconfio da vida, que se passa despercebida aos olhos de muitos mal observadores.

Vezemquando lembro-me de "Ensaio sobre a cegueira", de Saramago, e admito querer que um dia todas as pessoas acordassem cegas, sentindo-se sozinhas, fracas, vulneráveis e, também, afastadas do mundo e das outras pessoas. Seria humanizar o que antes era desumano. Porque talvez só assim elas entenderiam e dariam significado pros olhos que tem. E só assim conseguiriam enxergar o que, com os olhos puramente abertos, ninguém vê (ou pelo menos fingem).

Também iriam entender que quando a visão turva ou desfoca, paramos e ficamos onde estamos. Que quando a visão aumenta demais, enxergamos - na maioria das vezes - muito além do que poderíamos imaginar, tornando nossas ações complexas demais para um bom entendedor. Que quando enxergamos pouco, corremos o risco de ficarmos cegos e, às escuras, não compreendermos que talvez estamos mesmo no apagão dos céus e não mais na luz. É tudo questão de visão.

E desconfio dos meus olhos. Porque eles mentem quando estão cansados. Porque eles sofrem quando estão abertos demais. Porque eles se impressionam com poucas coisas. Porque eles são, por si só, desconfiados. Porque me remete que às vezes o pouco que eles enxergam, é muito demais pro meu coração.

sexta-feira, 3 de janeiro de 2014

Sublimação

Deita a cabeça no travesseiro e pensa. Mas pensa mesmo, sem julgar, criticar, desvirtuar qualquer tipo de primeira impressão analisada. Prepara os olhos, porque a vista que verás é bem mais lúcida e devastadora do que qualquer devaneio alheio – e chora. Não precisa ter medo, é só puxar o ar quente de dentro do peito e respirar fundo. Verás que as tuas mãos já congeladas esquentarão de repente. Verás que teus pés trêmulos pararão. Verás que tua boca seca umedecerá. Verás o que não quisestes antes ver.

Saia de casa. Vá até o pátio e recolha as roupas secas do varal, trocando-as pelas molhadas que acabastes de lavar. Veja a evaporação lenta e contínua que a transparência do sol permite atenuar. Troque os lençóis da cama, varra seu quarto. Esqueça que algum dia encontrou vestígios de cabelos e rabicós pelo chão.

Não deixe o gelo congelar teu coração. Não destrua tua essência. Não sufoque tua alma. Pinta a tua vida, que pintarás a vida dos outros também. Pincela cada passo do teu caminho e não deixe que as marcas de uma possível tropeça te impeçam de continuar firme e forte. Lembre-se que na linha da vida existem as bifurcações e o caminho do sol só é visto com os olhos bem abertos às coisas novas.
Veja bem, as flores estão no jardim, o sol no céu, o mar no chão. E tu, estás onde?

Metanoia

Não culpo a ciência por ter nascido tão frágil e desorganizada. Nem culpo a mídia por me passar tantas informações, fazendo eu me perder nessa bagunça instável do meu ser. Nem Nietzsche me entenderia, até que me é compreensível. Ando deslocada num “on call” tão desnecessário, mas que me é bonito. E tantas coisas “me são” ultimamente.

Olha pras nuvens e vê se me enxerga por lá. No meio desse céu imenso, quem é que não vai se perder diante da luz? A cada esquina tem uma coisa esquisita que esbarramos vez’enquando, e a cada estranheza o sol se desfaz nas nossas mãos. Não deixe. Não corra. Não sonhe demais. Dois pontos e uma frase de impacto seriam insuficientes pra concluir esse parágrafo.

Sei que não compreendes aonde quero tanto chegar. Nem eu mesma sei, só me vou. A mudança e busca pelo novo é o que rege os meus caminhos agora. Entrego minha mão pra quem quer segurá-la, não pra quem foi sem se despedir. E não me despeço também. Esse não é meu último texto, nem será. A única certeza que tenho é que a incerteza do futuro me sufoca, mas não me para. A coragem está nas minhas mãos.

Olhou pras nuvens? Me viu por lá? Não deve ter visto. Eu estou em Nárnia, no outro lado do jardim da Babilônia, correndo com as ovelhas, descartando qualquer coisa que faça sentido nessa minha escrita, porque o destinário para qual escrevo não vai entender e eu não vou saber explicar.

Pega um meteoro e vai pra Marte. Eu ficarei bem aqui.
Bem, aqui.

Sonhíferos

Acordei. Acordei e olhei ao redor para ver se eu ainda estava deitada na mesma cama. Me remete momentaneamente na cabeça cenas desfocadas de libélulas e luz, muita luz. E em outros instantes eu vejo essa mesma luz se desorientar e expandir na escuridão em inúmeros e pequenos feixes. A vida corre e a intensidade da expressão em que me refugio dormindo também some. Durmo.

Dizem por aí que os sonhos são sempre nossos maiores bens, que devemos nos agarrar em cada um deles como se fosse nossa última alternativa de sermos, por fim, felizes. Eu tenho todos os sonhos do mundo também, Fernando. E tenho todos eles enlaçados entre os dedos. Às vezes sinto que eles escorregam das minhas mãos, mas são instantes tão breves que nem se quer me preocupo – o que é meu, por direito, sempre volta. 

Acordo. Ouço os relâmpagos da tempestade que devasta tudo o que a cerca. Desta vez apalpo a cama para ver se ainda estou deitada nela. Estou e a tempestade é dentro de mim. O mais errado disso tudo não é o fato de eu ter acordado e finalmente percebido que a chuvara com a qual eu tanto me acanhava era dentro de mim, mas sim por saber que talvez o arco íris demore para chegar e que, sem querer, a chuva não molha só o meu corpo. Durmo.

Os sonhos são pesadelos que deram errado. Porque na verdade a vida não passa disso: sonhos que deveriam ser pesadelos, mas no ato não o são. Nem aqui, nem aí. Tu não enxergas. Os sonhos são mutáveis, piores que o hiv atuando na corrente sanguínea. Patologicamente falando: não morremos de AIDS, morremos de doenças oportunistas. Resumindo: não morremos de amor, morremos de outros sentimentos oportunistas.

Acordo e durmo. E sigo assim, até que os sonhos dos quais eu tanto prezo tenham realmente alguma direção definida, com horário e local de chegada e partida.

Não subestima teus sonhos, rapaz. Mesmo que a gente não encontre razões para que eles continuem vivos. Sonha mais, cada vez mais. Porque o sonho é um sentimento oportunista e antes morrer por um sonho do que por amor.

Stonehenge

E eu senti tudo isso. Talvez mais, talvez menos, sem medida. E ainda sinto. Tem dias em que me calo e fico que nem uma pedra: inabalável. Em outros eu grito constantemente, descabelo, enlouqueço. A voz rouca e cansada já não demonstra mais, se torna um gelo, uma múmia, um fantasma. A gente cansa e dorme. A gente acorda e tudo volta. Reviravolta. Revira-volta. É destruidor e sufocante. E do contrário como pensávamos: não passa tão fácil assim. Demora e, infelizmente, não é algo que dependa do tempo para passar. Depende da gente e mais especificamente de dentro da gente. Depende do deixar o sol entrar. Depende do querer que o sol entre. 

Se estamos na chuva, sem dúvida alguma estamos conscientes de que vamos nos molhar. E diante de toda essa coragem que não sabemos de onde vem, mas sabemos que existe, não há no mundo uma sequer razão e sentido para a vida. Porque o que nos instiga mesmo é esse mistério, esse não saber, esse procurar nos livros, ler nos jornais, ouvir dos mais velhos todas as vivências de suas vidas. “Se alguém encontrou um sentido pra vida, chorou”.

Descansa os olhos, minha irmã. Deita e dorme como um bebê. Descansa as ideias, a cabeça, a vida. Porque bem sabe que fizestes (e continuas) fazendo de tudo. E se perderes a direção, cautelosamente estarei aqui. Se tropeçares, do jeito que sou, sabes bem que irei te erguer sem que percebas que sou. Se caíres, me jogo por cima e caio junto. Porque me gusta mucho incomodar-te. Porque quiero mucho ver tu sonriso otra vez.

Pra ninguém entender

E embora os livros espíritas me dissessem, eu nunca saberia para onde a morte poderia nos levar. Talvez essa história de céu fosse mera invenção e a bíblia não passasse do primeiro livro de contos de fadas da história. Quem dera Zeus tivesse existido e estivesse aqui para me dizer que deuses não existem, que ele também é um mero mortal.

Tudo que não rima entre a vida e a morte somos nós. Tudo. Desde as cores das pupilas que esvaem as almas amarelas, até a cor condensada de pele, o fosco e solitário sorriso perdido por aí. Ora, por que o céu faz questão de colorir tudo e a morte só é lembrada quando se vestem de preto? Por que não trocamos os adjetivos e buscamos a resposta no óbvio? 

Compreende-se que tudo que se rima está escrito ou não em um mesmo poema e que esse poema tem que ser, necessariamente, escrito pelo mesmo autor. Mas por que não compreende-se que poemas são mesclas da vida dos outros e que, necessariamente, precisam falar sobre as mesmas coisas e refletir sentimentos contínuos? Por que não compreende-se que todo verso escrito surge de uma palavra não dita?

Então tudo o que está escrito nos poemas e na bíblia se dissolve no ar. O pensamento se vai. E sabemos que a vida não rima com cor, mas rima com rima. E precisamos entender que, vez em quando, a morte também rima com forte. E ser forte, nos temos de hoje, é ter coragem de não rimar com a vida, é ter coragem de perceber que é (e tem-se) a única saída.

Tudo que rima com amor e tristeza

Tudo que não rima com amor, rima com tristeza. E dentre todas as coisas que rimam com amor, você é a que mais rimou comigo. Tens bons gostos: Chico, Zé, Nando… são tantos nomes e trilhas, tantas caras e bocas e palavras não ditas, mas que ficam nas entrelinhas do vai e vem dos nossos olhos. E por falar em olhos, minha pupila dilata quando te enxergo e, embora não percebas, quase sempre penso em ti (é por isso que quase nunca olho nos olhos – entregaria fácil o quanto gosto do teu charme). Já falei das estrelas? Ou do quanto tu rima com elas nos breves flashes de luzes que incendeiam nas noites em que o luar não predomina? Já falei dos teus tons, sons, grooves e blues? Ah, me desculpe, querida, eu deveria estar em Nárnia. (…)

Mas pressuponho que te irrita facilmente os meus desaparecimentos e minhas constantes crises existenciais. Pressuponho que te aflija, atinja, incomode. Pressuponho que minhas justificativas são incoerentes e confusas. Pressuponho que tenta me entender, mas não consegue (e teria como o fazê-lo?). Pressuponho tantas coisas e queria, realmente queria, fazer alguma coisa a mais a não ser lhe escrever sobre as nossas aventuras distantes, mas os dias tem sido tão difíceis para mim que qualquer sirene tocando eu já saio pulando de alegris pensando ter, finalmente, passado para a fase do “paraíso”. Pois bem sabes: tudo que não rima com amor, rima com tristeza. E não, não estou triste pelos outros ou pelo que era para ter sido mas não foi. Estou triste porque as pessoas são más, porque não gosto mais de filmes românticos, porque não consigo escutar as mesmas músicas de antigamente, porque me sufocam os verões. Estou triste porque as ruas continuam as mesmas e eu não consigo cruzá-las da mesma forma. Triste porque me sinto sozinha quando rodeada de vozes cantantes. Triste porque eu deveria me surpreender menos e admirar mais. Triste porque estou cansada. Enfim, triste: uma relação paradoxa do meu eu com meu mim, compreendes?
E dentre todas as coisas que rimam, sei que o amor e a tristeza fazem parte do meu verso. E sabes bem que meu show é ao vivo e a cores, de preferência acústico. E sabes mais bem ainda que cantar Chico é o mesmo que se enterrar nessa fossa. Só não sabes que num desses poços de lágrimas existe alguém que quer levantar, se erguer e cantarolar com as vozes cantantes; e fazer parte do teu luar e das tuas cores; e sonhar com um mundo tão nosso sem pessoas más.

Ah, me desculpe, querida, por andar tão solta e te deixar sozinha, por não conseguir seguir teus passos e me perder na solidão. Chico me ensinou que amanhã vai ser outro dia, que eu vou poder correr pra te acompanhar, mesmo nas ruas que eu não conseguia cruzar.

domingo, 29 de dezembro de 2013

subst. Infinito

Mergulho nos teus olhos cor-de-mel e por míseros segundos em que teu corpo encosta no meu, me sinto infinita. E se sentir infinito, nos tempos de hoje, é raridade - não se vê. Não sei ao certo o por quê, não contei os dias em que nos vimos, não sou boa com datas, minha memória é falha (bem sabes), mas deixei a coisa fluir "como uma onda no mar". E chegou a um estágio tão promissor que meus olhos ficam estagnados olhando para os teus olhos imobilizados. E consigo enxergar pequenos vultos dos pigmentos de água caindo ao meu lado, das folhas secas das árvores se libertando e deixando o vento simplesmente as levar. E tenho tido dias assim, meu bem: tudo ao meu redor é motivo de beleza. Tudo tem sido bonito. Tudo tem sido infinito.

domingo, 22 de dezembro de 2013

v.t.d dissipar

dissiparam-se as linhas
de um lado, nossos eus
de outro, nossos nós
mas para onde vão os nós?
e os laços? e os traços?
se queres ver, vejas bem
se queres ouvir, escute-a
só não queira lembrar:
lembrar dissipa a alma
e o coração não "guenta"
se a alma é pequena.

sexta-feira, 8 de novembro de 2013

Infinito "ok"



O infinito é sempre o infinito.
Nele a gente canta, dança e corre rua afora. Mas a gente não se sente se não for só a dois. E apenas.
O infinito é um caos que esquecemos dentro de nós; que adormece, berra, chora, querendo sair. Nele cabem três vidas inteiras, uma penteadeira, meu coração. Cabe qualquer coisa, qualquer rima, qualquer faísca, qualquer solidão.

Um infinito é sempre UM infinito.
E a gente o vive desde sempre: do primeiro passo até o pai ou a mãe, do primeiro sorriso até a última palavra enquanto vivos. Mas morrer não significa que o infinito tenha acabado.  Partindo da premissa que infinito não tem fim, sabemos que a morte é só um transporte de energia em que a nossa alma se solidifica em algum outro mundo.

O infinito é aqui. Nele cabe muita coisa, embora a gente saiba que das três vidas inteiras, uma já se foi.

quarta-feira, 17 de julho de 2013

"Eles se amam. Todo mundo sabe mas ninguém acredita. Não conseguem ficar juntos. Simples. Complexo. Quase impossivel. Ele continua vivendo sua vidinha idealizada e ela continua idealizando sua vidinha. Alguns dizem que isso jamais daria certo. Outros dizem que foram feitos um para o outro. Eles preferem não dizer nada. Preferem meias palavras e milhares de coisas não ditas. Ela quer atitudes, ele quer ela. Todas as noites ela pensa nele, e todas as manhãs ele pensa nela. E assim vão vivendo até quando a vontade de estar com o outro for maior do que os outros. Enquanto o mundo vive lá fora, dentro de cada um tem um pedaço do outro. E mesmo sorrindo por ai, cada um sabe a falta que o outro faz. Nunca mais se viram, nunca mais se tocaram e nunca mais serão os mesmos. É fácil porque os dias passam rápidos demais, é dificil porque o sentimento fica, vai ficando e permanece dentro deles. E todos os dias eles se perguntam o que fazer. E imaginam os abraços, as noites com dores nas costas esquecidas pelo primeiro sorriso do outro. E que no momento certo se reencontrem e que nada, nada seja por acaso." 
 Texto escrito pela escritora Tati Bernardi.

sexta-feira, 5 de julho de 2013

Guria, já faz tempo...

Me falaram que era pra deixar doer inteiro, não corromper essa dor, porque a gente sabe que o passado volta todos os dias. Me falaram pra escrever e eu não conseguia, porque não está tudo bem, não está! Me falaram pra comer mas eu só conseguia ficar pensando nela e nas tantas coisas que não fomos. Por que o auge dos nossos sentimentos é a parte mais dolorosa do sentir? Por que pra amar, tem que doer? Pra escrever, tem que lembrar? Pra dormir, tem que chorar? Por que pra sentir, tem que sonhar? 

Por que a gente fica aqui se perguntando porque não fomos, quisera fossemos, se estamos a tão poucos quilômetros de sentir o arrepio na pele?

Guria, já faz tempo que eu choro te escrevendo e cada parte do meu texto é uma lágrima caída na minha vida.

domingo, 30 de junho de 2013

Vinhetas

Eu tenho um blues na minha mão. As estrelas não estão mais no céu. Meu encanto é sereno. Meu semblante sorri. Meus "zóios" brilham. 

Olha só, guria, que estranha é a vida que me dizia que eu deveria seguir em frente e abraçar o mundo com os dedos cruzados, com um sorriso de orelha à orelha que eu não tinha. Desembarco num cais qualquer. O mar me lembrava muito a cor do céu que havia visto semana retrasada. A areia da praia é limpa, o vento era um extensivo meio da natureza propagador de memórias. Como quem não quer nada, eu sentei e fiquei avistando famílias unidas, cachorros correndo, árvores balançando, crianças brincando, casais sorrindo - até escurecer e eu avistar você. 

Como numa vinheta de filme antigo, não tinha pressa a minha calmaria te olhando, não tinha pressa de sair dali. E escute bem: se pudesse eu continuaria ali, na madrugada fria, só observando até e inclusive o jeito que tomas vodka. E continuo a pensar que talvez seja o teu jeito. E queria me limitar a pensar que poderia ser apenas o jeito que tomas vodka, mas não... 

Descanso os olhos, após muito observar. Percebo que tu ficas a analisar constantemente o céu, notando a falta de estrelas entre o vai e vem dos cometas. E a gente acaba olhando juntas, pro mesmo céu, com o mesmo pensamento questionador e crítico. E percebo, ainda, que a música que a gente escuta é menos linda que os teus olhos e a tua cor; que tudo o que escreves tem sentido e vazão ao que tu és. 

Acho graça que eu desacreditei no amor; que eu olhava no espelho e não via nada mais que uma pessoa qualquer. Agora sigo o sol. Bem sabemos onde tudo vai parar. Já não tenho medo, nem pressa, nem ansiedade. Agora eu tenho uma estrela na minha mão e vou mantê-la acesa até quando me permitires.

quarta-feira, 12 de junho de 2013

E eu quis tanto ser o texto dela

De todas as minhas vidas, de todos os meus amores, eu queria ser o texto dela. De todas as palavras não ditas, frases mal expressadas, dizeres sem sentido - caramba, eu quis tanto ser o texto dela! Esse é o meu momento desprezível. Essa é a minha mágoa não transcrita, nem dita, nem chorada. Esse é o meu inferno pessoal, minha falta de coesão, minha autopiedade. Essa sou eu, e esse não é o texto dela. De todas as luas cheias, de todos os mares azulados, em todo cais que eu passei, eu quis tanto passar na tua rua, me encostar na sombra da tua árvore e te dizer que faço parte do teu texto, que me esquivo com as tuas palavras, que não sossego sem pensar nos teus pronomes, nos teus tantos nomes. 

E eu volto, volto, volto e não saio de lugar algum. E eu penso, repenso e despenso - e continuo aqui, querendo fazer parte do texto dela, das frases, dos trechos, dos cantos...

domingo, 9 de junho de 2013

Carta sem remetente

Trocaram-se os pronomes e as pessoas. No falso chão que me encontro, confesso sentir medo dos tapetes avermelhados que me forçam dançar. Eu tinha um mundo nas mãos, uma música em cada ouvido, dois corações articulados em apenas um corpo. Nos passos da minha dança, o som do piano se confunde com o teu sussurro que tanto faz falta. Eu queria ter continuado lá, naquele salão, trocando os passos da tua canção. Eu não queria ter ido embora, não queria. Trocaram-se as roupas e as intenções. Só não se troca de coração - em que mundo estamos, que a coragem se perde no dia a dia, que uma afeição destrói uma vida?

Eu queria descansar os olhos. Queria não ter feito parte da tua plateia, nem dos teus planos. Mas tive que aplaudir, juro que tive. Porque trazer de volta aquilo que não te traz paz? Porque continuar pensando naquilo que te afoga ainda mais? Corações são armas apontadas pro peito de quem não sabe o que é amar.

Ainda espero na esquina, ansiosa, teu rosto surgir. Mas não queria esperar, não mais. Queria atravessar a rodovia com os carros cruzando a duzentes por hora, sem olhar pros lados, sem olhar pra lugar nenhum.

Trocaram-se os pronomes e as pessoas, ora, por que não trocam as palavras também?

domingo, 12 de maio de 2013

(...)


A calmaria me encanta, mas a loucura me fascina em todas as suas formas. Em tempos de uma quase terceira guerra mundial, ainda encontramos sossego, paz e leveza... Tem noites que me sinto dentro de uma bolha de sabão, sendo carregada pela ventania que o teu corpo faz quando se junta ao meu. Tem dias que só a gente sabe o que se passa dentro de nós, dessa coisa esquisita e ambulante que chamamos de coração.

Eu poderia falar qualquer coisa à respeito dos teus defeitos se os encontrasse, mas me soa bonito até o teu romantismo careta e meio sem noção. Olha só, eu aqui de novo, que tanto falava e relatava minhas histórias fodidas agora me concentro em uma outra vida que se cruza com a minha. Pensei que pudesse estar na estrada errada, andando para o lado errado. Pensei tantas coisas e tantas outras eu nem disse nada, e agora me vejo aqui, escrevendo que tua cara é meu riso frouxo, teu abraço um lugar bonito que encontrei pra morar.

E ficar.


sábado, 4 de maio de 2013

Sobre saber

Às vezes me esquivo. Não porque quero, mas veja bem: é impossível não recuar quando lhe falta o passo. Ou se cai, ou se trava. Segunda opção, no meu singelo caso. Permaneço recuando, às vezes mais, às vezes menos, tudo depende da forma com que se diriges a mim. E também tem aquela história de riso imediato ou timidez causada pela tua cara linda naquele corredor cheio de gente patética - diagnósticos que tu mesma fizestes, bêbada, claro. Irremediavelmente seguimos recuando. No acaso, a gente esquece de recuar e acabamos nos embebedando de uma coisa que, ainda, (repito: ainda), não sabemos do que se trata ou como lidaremos daqui dois, três, quatro dias ou meses ou anos ou vidas. Ou eu te confundo, ou me confundes. E talvez seja esse mesmo o ritmo do baile: o mistério, o não dito, o não expressado, o não demonstrado. Porque sabemos que não saber é mais fácil e emocionante do que saber (em partes). E sabemos que saber é tanto quanto demasiado de emocionante do que não saber (em partes). E sim, existe diferença entre uma coisa e outra e essa diferença é o que compensa e realmente faz valer a pena.

Quem dera abríssemos nossos corações para o desconhecido; fossemos sutilmente preparados para a próxima etapa, sem que haja qualquer tipo de medo ou angústia decorrente de uma noite de amor mal dormida. Quem dera fossemos mesmo, nós mesmos, hoje e sempre e que não houvesse pessoas ao meio, com cabeças e sentimentos não esclarecidos. 

Mas somos. E sabemos que somos, antes de tudo. Porque, como já havia dito, é preciso que saibamos: da estrada, das curvas, do chão que pisamos - é preciso que saibamos. E queria que soubesses que eu preciso saber mais de ti, das tuas curvas, do teu chão, do teu mundo, da tua história. Porque saber é mais emocionante do que não saber (em partes).

domingo, 28 de abril de 2013

Das coisas que eu gosto (bêbada)

Eu gostaria de dizer que gosto da tua voz bêbada e meio rouca (já fumou uma carteira inteira), que gosto dos teus dedos amarelados pelo filtro vermelho, que gosto da tua cor e da cor dos teus olhos. Mas queria, acima de tudo, dizer que gosto da tua presença (mesmo que bêbada) na minha vida; que me faz bem me entregar pros teus braços, mesmo que às vezes, nem que seja pra sorrir em vão das nossas babaquices. E queria dizer, também, que tenho medo de gostar de tudo isso, de adorar e te adorar cada vez mais; que eu não sei lidar com coisa pouca: pra mim é tudo ou nada - mas que aprendi (e aprendo) contigo que pra tudo existe limite ou autocontrole, que eu aguento sim, porque devagar é mais bonito, gostoso, sincero. (...)

Eu queria dizer que quando a noite acaba a lua invade o meu dormir. Que de repente me pego sonhando acordada, boba, lembrando dos beijos com gosto de vodka que me deste semana retrasada. Que eu gosto muito da tua loucura danada, desse teu jeito durão, mas doce - tu não me enganas, não! Que eu sei e tu também sabes, talvez seja mesmo assim que eu queira pensar em ti.

Às vezes, quando o passado invade o meu presente, nos meus passos encontro o meu lugar - tem dias que teus passos me acompanham - e vou seguindo sempre em linha reta, em direção ao que nem eu mesma sei, apenas sabendo que devo ir, que não devo parar em qualquer bifurcação. E eu sei, eu vejo, eu sinto; não pelo falo de adorar-te, mas pelo fato de conseguir, finalmente, dar um nome pra tudo isso. Talvez seja por essas e outras que eu venho te escrever. 

Eu queria mesmo que tu soubesses que te adoro - teu jeito de olhar, de falar, de rir. Que tua risada é única e já faz parte da minha risada rir junto a ti.

Das minhas e tuas e nossas emoções

Eu cochilava no aguardo de um sonho qualquer. Despertava vez em quando, pra ver se ainda estava ali. Nos dias de frio ou chuva, teu cuidado era meu refúgio, teu abraço era minha proteção. E agora, para onde foram as emoções de outrora? Onde foram parar teus pensamentos esquecidos? Veja só, o céu está cinzento e eu estou sozinha, mergulhada nesse vazio regado pelas flores da lembrança. Confundo os meus passos com o da solidão e confundo tantas outras coisas com as tuas facetas. E acabo sempre voltando pros dias chuvosos, desembarcando no meu cais qualquer mínima lembrança do som da tua voz, do teu choro de criança, até dos teus sussurros serenos que me diziam tanto e não me diziam nada. (...)

Veja só, eu deixei de estar aqui para estar aí e tu nem percebes. E deixei tantas outras coisas empilhadas no canto do teu quarto só para ver se lembras, se ainda pensas em mim. Quando surge o sol e eu abro a janela, a luz que cega os meus olhos ainda é a mesma que te cega? 

Veja só, estou mais calma, sonolenta, cansada - desisti, viu? Agora podes ir. Vá tomar teu café da tarde ou fazer qualquer outra coisa, mas não voltes para me questionar de quem foi o erro ou porque demorei tanto para despejar essas palavras sem sentido.

Vou indo com o peito apertado, a voz já rouca de tanto gritar. É até engraçado ver o quanto eu vou, vou, vou, mas sempre acabo retrocedendo às mesmas histórias. E acabo sempre voltando pros dias ensolarados, naquela praça calma, velhinhos jogando xadrez ao nosso lado, teus cabelos presos como o nosso primeiro abraço, teus olhos despejando carinho como nosso primeiro beijo. Mas para onde mesmo vão parar as emoções de outrora?